SISTEMA LINFÁTICO





O sistema linfático consiste de: 1) uma rede extensa de capilares e amplos vasos coletores
(vasos linfáticos) que recebem líquido tecidual do corpo e transportam para o sistema cardiovascular; 2) linfonodos que servem como filtros do líquido coletado pelos vasos; e 3) órgãos linfóides, que incluem linfonodos, tonsilas, o baço e o timo.

Os sistema linfático está intimamente relacionado anatômica e fisiologicamente ao sistema cardiovascular. O líquido (porção líquida do sangue e proteínas plasmáticas) que se acumula nos espaços entre as células dos tecidos conjuntivos frouxos é denominado líquido extracelular.

Quando esse líquido se acumula os tecidos incham, apresentando uma condição denominada de edema.

O papel do sistema linfático é o de retornar o excesso de líquido extracelular e proteínas plasmáticas para a corrente circulatória e, desta forma prevenir a formação de edemas.

VASOS LINFÁTICOS

O líquido extracelular após penetrar no sistema linfático (capilares linfáticos) chama-

Os linfonodos são órgãos pequenos, arredondados ou em forma de feijão, que estão distribuídos ao longo do curso de vários vasos linfáticos.

Existem grupos de linfonodos na axila, virilha
e pescoço, bem como em várias regiões profundas do corpo.

A linfa penetra nos linfonodos através de vasos linfáticos aferentes, onde é lentamente filtrada por estruturas denominadas seios. Após filtrada, a linfa deixa os linfonodos através do vasos linfáticos eferentes.

Os microorganismos e partículas estranhas
(bactérias) que são retidos nos linfonodos através da filtragem da linfa, são prontamente destruídos pelas células fagocíticas (os macrófagos).

FUNÇÕES DO SISTEMA LINFÁTICO

Destruição de bactérias e remoção de
partículas estranhas: remoção através dos fagócitos, principalmente os macrógafos, que estão presentes nos linfonodos.

Respostas imunes específicas: participação da produção de anti-corpos que destroem as substâncias invasoras.

Retorno do líquido extracelular para a
corrente sangüínea: as proteínas que são deixadas pelos capilares sangüíneos no líquido extracelular são devolvidos ao sangue através do sistema linfático, uma vez que se estas permanecessem nos espaços extracelulares, a pressão osmótica aumentaria muito.

ÓRGÃOS LINFÓIDES

Além dos linfonodos, existem vários órgãos
linfóides, sendo eles o baço, o timo e as tonsilas.

Baço: é o maior órgão linfóide, localizado entre o fundo do estômago e o diafragma. Seu tamanho aproximado é de cerca de 12 cm, todavia seu peso e tamanho variam de pessoa para pessoa.

As funções do baço incluem produção de anticorpos, fagocitose de glóbulos vermelhos velhos e partículas estranhas ao corpo. O baço atua como um filtro para a corrente sangüínea, muito mais que os linfonodos para a corrente linfática.

O baço serve também, como um reservatório de sangue (embora com capacidade limitada œ
200 ml).

Timo: é uma massa bilobada de tecido linfóide localizada abaixo do esterno, na região do mediastino anterior. Ele aumenta de tamanho durante a infância, quando então começa a atrofiar-se lentamente.

O timo confere a determinados linfócitos a capacidade de se diferenciarem e maturarem em células que podem efetuar o processo de imunidade mediada por células. Há evidências de que o timo também produz um hormônio que pode continuar a influenciar os linfócitos após eles terem deixado a glândual.

Tonsilas: as tonsilas são massas pequenas de tecido linfóide incluídas na mucosa de revestimento das cavidades bucal e faríngea.
As tonsilas palatinas (amígdalas) estão localizadas na parede póstero-lateral da garganta, uma de cada lado. As tonsilas faríngeas se localizam na parede posterior da parte nasal da faringe. Ambas as tonsilas atuam como uma defesa adicional contra invasão bacteriana.